Saturday, April 18, 2009

Preserve um posto de trabalho de um cidadão português...


Por cada 100 euros em compras de produtos Made in Portugal, cada um de nós está a preservar um posto de trabalho de um cidadão português.

Em contrapartida, cada 100 euros em compras de produtos estrangeiros (concorrentes aos Made in Portugal) resultam no despedimento de um trabalhador ou na não criação de um novo emprego.

Quantos trabalhadores portugueses já despediu devido à sua indiferença? Talvez um amigo, um vizinho ou um familiar… Tem consciência disso?

Os primeiros 3 dígitos dos códigos de barras dos produtos Made In Portugal são o 560.
Porém, existem empresas que usam códigos internos que podem ser diferentes.
Em caso de dúvida, observe a etiqueta.



Divulgue, mude os seus hábitos, ajude, tome uma atitude!

Preocupe-se em ver a etiqueta! Recuse produtos estrangeiros quando tem os portugueses na prateleira do lado. Mude de loja se for preciso!

Cada euro gasto num produto estrangeiro contribui ainda mais para o empobrecimento do país. Não o faça se houver alternativas Made in Portugal.
Conserve o emprego dos outros e peça aos outros para conservarem o seu!

Compre produtos portugueses.

http://560.adamastor.org/

7 comments:

Luis said...

Quantas pessoas trabalham nas firmas de importação e na venda desses produtos? Será que ao comprar "made in Portugal" não estaremos a condenar mais pessoas ao desemprego que ao comprar "made in qualquercoisa"? Sim , porque Portugal é um país conhecido por produzir coisas em fartura...

MaRiA said...

Que grande atitude rapaz!

Repara bem:

Produtos portugueses? E Como é que eu sei quais eles são?
É simples, bastante simples. Antes de mais, existem dois aspectos a distinguir: existem marcas portuguesas e produtos portugueses.

Marcas portuguesas, como o nome indica, são marcas de carácter nacional, com origem e produção no nosso país (exemplos: Sumol, Compal, Mimosa, Critical Software)

Produtos portugueses, são produtos fabricados em Portugal por marcas nacionais, multinacionais ou mesmo internacionais, mas são produtos feitos com mão de obra nacional, que contribuem superiormente para o nossa economia e para o emprego no nosso país.
Esclarecido???

Anonymous said...

Exacto Lusitanus, é tudo a comprar equipamentos na Yasaki Saltano, chips na Quimonda e a meter a massa no BPN e no BPP em nome de salvar o que é produzido em portugal.

Este manifesto é um disparate pegado do principio ao fim, industrias nacionais alem das companhias do regime (PT, Zon, etc...) há muito pouco ou quase nenhuma. O que se propõe é um perfeito e completo disparate pegado.

Pongas

D.P.V said...

Fazes bem pongas, caga nisto e quando um dos tipos que foi para a rua de uma fabrica portuguesa que fechou porque tu andavas enfiado nas lojas de chineses te assaltar a casa porque nao tem dinheiro para dar de comer aos filhos nao te queixes.
Ao mesmo tempo os filhos dos chineses andam de barriga cheia de arroz e a ganhar caparro e moral para daqui a uns anos tomarem conta desta merda toda.
Atitude inteligente a tua.
E bem visto sim senhora.
Caga nas fabricas nacionais, tb já são tão poucas e os chineses vendem tudo a um euro.
Ideia de genio, de visionário!

Anonymous said...

pongas és maricas, votas no bloco e fumas umas ganzas e está feito. és um iluminado de merda!!!

Anonymous said...

Pogas deves ser o assessor nº1 do Louça

raposa said...

Quem não vê essa realidade é cego ou muito distraído. Então se tu comprares 100 euros de fruta no supermercado e ela vier de todo o lado menos do algarve ou de loures ou de norte de portugal, esses 100 euros vão encher os bolsos de outros, que não dos agricultores portugueses. Esses têm de mandar fora a fruta deles, os legumes que produzem têm de duplicar o preço porque metade da sua produção vai para o lixo, porque não se vende - e a gente ainda menos compra - as batatas vão para os porcos ou para a vala comum... E quem diz agricultores, diz pescadores, que cada vez vendem menos peixe, pois nas nossas águas andam tudo menos portugueses, e quanto menos se vender por cá menos qualidade têm os barcos para ir pescar mais longe. E quem diz isso, diz indústria, já vendemos todas as nossas empresas industriais ao estrangeiro e já pouco produzimos, nem sapatos, nem tecidos, nem nada e até com os queijos da serra e da ilha queriam acabar. O comércio lá vai fechando, loja a loja, pois as exigências são tanto e tão "europeias" que só mesmo os europeus ricos as podem cumprir, e o rol continua, etc, etc, etc. E quem diz isso, diz tudo o resto. Até alhos vêm da China, não são só baterias e televisores! E pilhas, e fósforos e cuecas e toda a espécie de merdas que usamos no dia a dia sem dar por isso. Assim, ou nos pomos a pau e reagimos - boicotando os produtos que pudermos e que não são feitos em portugal - ou então, meus amiguinhos de menos de 30 anos, quando chegar a vossa vez de ganhar os euros para pagar a vida, ela estará toda empenhada, do princípio ao fim. E quem diz a vossa vida, diz a do planeta e dos bichos, pois quem não defende o que é seu, come com tudo o que lhe impingirem e permite tudo o que os mais fortes quiserem. Conseguem torcer pelo bem-fica contra o porto, mas não conseguem torcer por portugal contra a aniquilação e usurpação estrangeira!
Alerta, portanto!
E já agora, que tem o Louçã com tudo isto? Que eu saiba é português e, como a qualquer outro, só lhe fica bem defender o lugar onde nasceu.
Raposa